Utilizamos Cookies e tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência de acordo com a nossa Política de Privacidade e Termos de Uso, e ao continuar navegando você concorda com estas condições.
17/11/2020

Tudo sobre a qualidade das máscaras hospitalares!

As máscaras hospitalares ou máscaras cirúrgicas que antes eram usadas apenas por profissionais da saúde, mais recentemente se popularizaram em todo o mercado. O uso dessas máscaras tornou-se preferência de muitas pessoas, devido sua praticidade, baixo custo e potencial de proteção. 

Após estudo sobre o potencial de filtragem contra agentes infecciosos, as máscaras hospitalares passaram a ocupar o espaço das máscaras de tecido. 

Mas escolher uma máscara de qualidade é fundamental para garantir seu potencial filtragem e proteger-se contra vírus e bactérias em ambientes contaminados. Confira a seguir tudo sobre as especificações para assegurar a qualidade dessas máscaras. 


Alto potencial de filtragem

As máscaras hospitalares são projetadas com material específico para proteger os usuário em ambientes contaminados, o que significa que seu potencial de filtragem de agentes infecciosos por gotículas é superior a 90% (EFB> 90%). 

Este potencial de filtragem também se aplica a partículas mecânicas como poeiras, líquidos e produtos químicos, o que previne até mesmo a taxa de insalubridade em ambientes hospitalares oferecendo segurança a quem frequenta ou trabalha nestes ambientes. 

O potencial de filtragem chega a ser maior que em máscaras de tecido comuns que correspondem a um EFB>70%. 
 


Material antibacteriano e antiviral

O tecido sintético criado especificamente para conter gotículas de fluidos e evitar a contaminação entre pessoas também é superior a 90%. E as suas especificações são projetadas e testadas em laboratório para assegurar a filtragem. 

Não possui nenhum tipo de material orgânico (como algodão por exemplo), o que evita a proliferação de microorganismos que possam comprometer o potencial de filtragem e proteção da máscara.

O material TNT hospitalar é também hidrofóbico - repelente a água- que não permite a absorção e evita a umidade na máscara. A umidade neste equipamento de proteção poderia inviabilizar o uso do produto, pois facilita a transmissão de gotículas contaminadas entre as camadas de tecido.


Especificações anticontaminação

De modo geral, todo o material projetado para compor a máscara atende a especificações da Anvisa e são testadas nos laboratórios brasileiros para garantir seu teor anti-contaminação. 
A composição de camadas com tecido sintético e a presença de substância antiviral também fazem parte das especificações de proteção, além de seu material ser produzido de maneira automatizada em máquina de fusão Ultra-Sônica e sem possibilidade de contaminação.

Esse modelo de máscaras conta ainda com 3 camadas de tecido TNT sintético esterilizado e com camada interna filtrante para garantir o EFB>97% de retenção e impermeabilidade.

Além disso, o material é costurado por solda térmica e não há presença de linhas de costura, que evita a contaminação por espaço e garante a vedação completa do material. O  clipe nasal facilita o ajuste facial e a vedação das vias respiratórias, que evita a contaminação por fluidos corpóreos/aéreos e por secreções respiratórias.


Conclusão 

Toda estrutura ideal de uma máscara hospitalar deve atender a essas diretrizes para garantir a qualidade e seu potencial de proteção. É importante procurar os melhores métodos para garantir segurança e evitar a exposição aos riscos patológicos. 

Agora que você já conhece as especificações ideais para assegurar a qualidade das máscaras, é hora de adquirir também a sua! Confira nossos produtos.