Utilizamos Cookies e tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência de acordo com a nossa Política de Privacidade e Termos de Uso, e ao continuar navegando você concorda com estas condições.
17/11/2020

Por que usar máscaras descartáveis?

O uso da máscara de proteção facial tornou-se uma das medidas preventivas mais importantes para evitar o contágio por Covid-19. Desde o início da pandemia, a produção deste acessório de EPI passou a ser comercializado de diferentes formas, modelos e materiais. Mas como saber se a máscara que você utiliza é a mais indicada para proteção?

Devido a alta demanda, as máscaras, principalmente as descartáveis à disposição no mercado, praticamente sumiram das prateleiras em 2020. E as indústrias produtoras passaram a fabricar o material em tempo recorde, sob encomenda e aumentando a produção para suprir a procura. 

Porém, procurando por acessibilidade a população passou a fabricar máscaras de tecido. O problema deste novo modelo de proteção é a baixa filtragem de microrganismos e a não prevenção em ambientes com presença de aerossóis.

Mais recentemente, o Conselho Consultivo de Saúde da França (Haute Conseil de la Santé Publique HCPS) alterou sua recomendação ao uso de máscaras de tecido ao público, alegando que estas não garantem a filtragem suficiente do ar. A decisão foi tomada após análise das novas variantes do vírus SARS-CoV-2.

"Máscaras de categoria 2 ou máscaras de tecido filtram apenas 70%, enquanto as categorias 1, como máscaras cirúrgicas, vão até 90%. Como a variante é mais transmissível, faz sentido usar máscaras com maior poder de filtragem”, explicou Daniel Camus, do Institut Pasteur de Lille, que faz parte do HCSP. O Governo Brasileiro ainda não se pronunciou a respeito.


Desvantagens da máscara de tecido

  • Podem aumentar a proliferação de microrganismos no tecido, pois são feitas em material orgânico;
  •  Precisam ser bem higienizadas para manterem um teor de proteção;
  • Os espaços entre as fibras de tecido entrelaçadas são maiores que as de tecido TNT sintético específico para este fim;
  • Tecidos comuns não são projetados para realizar filtragem de partículas sólidas, nem partículas microbacterianas; 
  • Não são certificadas pela ANVISA;
  • Não são produzidas em material antibacteriano;
  • Não são testadas em laboratório para garantir seu potencial de filtragem.

Apesar das desvantagens, este modelo se popularizou devido a acessibilidade, maior disponibilidade no mercado e baixo custo. O potencial de proteção de uma máscara de tecido comum que possui em média 2 a 3 camadas de tecido sem material filtrante, é baixo (EFB de até 70%), e previne apenas o contato com gotículas de saliva ou contato com fluidos contaminantes que possam acessar as vias respiratórias.

Em contrapartida, as máscaras descartáveis foram projetadas para evitar a contaminação em ambientes patogênicos e por isso seus fatores de proteção e filtragem são maiores. 

Confira a seguir as vantagens deste produto: 


Vantagens das máscaras descartáveis

  • Feita com material filtrante de partículas menores que tecidos comuns;
  • Possui um clipe nasal que permite adequação à região do nariz, facilitando a vedação semi facial; 
  •  Possui a quantidade correta de camadas de proteção;
  • Possui espessura correta para garantir a filtragem;
  • É feita com material filtrante e tecido antibacteriano;
  • Tem capacidade de filtragem de partículas superior a 90% (EFB> 90%).

Depois de entender as necessidades do uso das máscaras descartáveis, você já pode adquiri-las conferindo nosso catálogo de produtos. Previna-se!